O parto do Baby F!


Fez ontem 11 meses que o Baby F apareceu nas nossas vidas, literalmente, apesar do coraçãozinho dele já bater dentro de mim nove meses antes, foi no dia 25/06 que o vimos pela primeira vez e pegamos nele e desde daí nunca mais o quisemos largar. 

A data prevista do parto (DPP) era o dia 1/07, mas desde cedo que senti que não íamos chegar às 40 semanas e assim foi. A única coisa que não gostava que acontecesse era que ele nascesse no dia 23 ou 24/06, que como sabem cá no Porto são dias de festejar o São João, isto porque queria que o dia dele fosse única e exclusivamente para celebrar a sua vida. Mas, claro que também tinha imaginado o futuro e parecia-me óbvio que ele não iria querer festejar o aniversário com os papás, mas sim andar quilómetros até à Foz e ver o pôr do sol na praia.

Contudo, nada disso irá acontecer, porque lá está decidiu nascer a 25 de junho e desde cedo começou a respeitar a mãe! 😊

Claro, que eu também ajudei, na véspera de São João, dia 23 de junho, na consulta das 39 semanas perguntei logo em tom ameaçador se iam fazer o toque, convicta que não ia deixar e assim foi, na noite ainda celebrei o São João, em modo caseiro, e sem mexer "palha" não fosse o Baby F querer ir para o bailarico.

Já no dia 24 nem pensei mais nisso, achei que já tinha conseguido o respeito dele, estava confiante que só iria nascer lá para o dia 28 ou 29, fui à piscina molhar aquilo que já não se podia chamar de pés, mas sim de batatas e fui jantar fora com uns amigos, uma saborosa francesinha.

Pois bem, cheguei a casa fui dormir e numa das idas à casa de banho, vi umas gotinhas de sangue, tranquilamente ou estupidamente pensei que seria do molho, isto porque mesmo a comer francesinha sem molho, não resisti a molhar uma ou duas batatas. Voltei a tentar dormir, mas comecei a ter algumas dores mesmo que suportáveis, semelhantes às das cólicas, quando sai da cama de manhã deparei-me novamente com sangue, e calmamente disse ao pai "não deve ser nada, mas vamos ao hospital por precaução", ele só perguntou se ainda podia tomar banho e eu só sorri e disse "claro que sim".

Cheguei ao hospital no dia 25/07, por volta das 10 horas e nada melhor que um domingo, para entrar na Maternidade do Hospital de Vila Nova de Gaia sem confusão e ter o piso de urgência só para mim, acho que estava tudo de ressaca do São João.

Com algumas contracções, mas sem grandes registos de picos, sentia apenas uma pontadas, as tais semelhantes às das cólicas. O relatório das contracções não indicava nada de especial e parecia que tinha sido um falso alarme, ou não, fui analisada pela doutora de serviço e as ecografias também não indicavam que tinha chegado a hora, só quando perguntou se podia tocar - já tinha passado o São João, por isso deixei - é que só teve tempo de dizer "já tem 4 dedos de dilatação, vai subir". 😅
                     
Calmamente, dirigi-me para a porta onde estava o pai ansioso e quando ele perguntou se estava tudo bem e se íamos embora, só lhe disse "vamos é embora para cima, podes ir buscar os sacos" e ele só teve tempo para soltar um "é hoje?!" 😄

Fui para cima arranjar-me e a enfermeira aconselhou-me a tomar a epidural antes que as dores não fossem suportáveis, durante este período de tempo o pai aproveitou para avisar os avós.

Apanhei um susto durante a epidural, mas não sei se dos nervos nem tive reacção, resumidamente acharam que não tinha sido bem administrada, mas foi falso alarme, o problema é que o espaço até à minha coluna é pequeno, mas após monitorizarem-me viram que tinha tido uma contracção e já não tinha sentido, foi mesmo só um susto. 

Terminadas as dúvidas, o pai subiu e entrou na sala e seguiram-se as enfermeiras/parteiras, uma delas a Enf.ª Chantal (Chantal Rodrigues Prudêncio) que foi a melhor coisa que nos aconteceu, mais tarde viemos a saber que nos tinha "calhado" a melhor daquela unidade hospital, mas é mesmo até no parto temos que ter sorte. Mal entrou fez-nos continência em tom de brincadeira e disse que estava ao nosso dispor e aconselhou-me a começar com os exercícios de respiração, que se revelaram uma preciosa ajuda. Avisou o pai que se desmaia-se ia continuar no mesmo sítio, porque mais importantes era eu e o filho dele. Tentou sobretudo tranquilizar-nos e disse que estava a correr tudo bem, mas que ainda havia um longo caminho para o Baby F e para mim. 



Nisto ordenou o pai a ir comer alguma coisa, que para esfomeada já bastava eu, e enquanto ele foi senti água, chamei a enfermeira e ela disse que não era o arrebentar das águas, como eu pensava, era mesmo o Baby F a empurrar com pressa de nascer.

Ainda tentou contactar o pai, mas este já estava à espera que lhe abrissem a porta e mal entrou só disse exclamado "então não ia demorar". 

E a Enf.ª Chantal sempre bem disposta, o que contagiava qualquer um, só disse que quem mandava era o Baby F e que daquela sala (parto normal) já não íamos sair, o que me tranquilizava de alguma forma, porque desde inicio que soube que estava grávida, pensei sempre em parto normal, daí ter frequentado aulas de preparação, no meu centro de saúde, que foram.uma enorme mais valia antes, durante e depois do Baby F nascer. 

Nisto as enfermeiras entraram, preparam as coisas e disseram que tinha chegado a hora. Hora? Mas que hora, pensava eu, calmamente, sim porque sou uma pessoa com os nervos à flor da pele, mas inesperadamente tive toda a calma do Mundo, mesmo quando estava eu a "bufar" e a puxar, com o meu marido sentado ao meu lado.

A Enf.ª Chantal mandou-me começar a puxar com mais força e lá estava eu a ir buscar força, não sei bem onde, mas sempre com um sorriso nos lábios, ela incentivava-me a dizer que estava a ir lindamente, que era uma valente e eu lembro-me de lhe dizer que ela dizia isso a todas :) O que é certo é que me disse são "mais três puxos" e assim foi, um, dois, três e nasceu o Baby F e eu tive a melhor sensação do Mundo ao senti-lo no meu colinho.

O pai cortou o cordão umbilical e teve a melhor frase do dia: "nos filmes isto é muito mais difícil!" 😅

Hoje, a frio concordo com ele e mesmo no dia concordei, tive sorte, tive ajuda na preparação para o parto no Centro de Saúde Barão do Corvo, com a Enfermeira Carla Pedro, tive excelentes condições na Maternidade de Gaia, nunca quis que nascesse no privado, mas isso é outra história para contar mais tarde, tive a Enf.ª Chantal, tive a força de um excelente marido e pai, tive a minha força interior e sobretudo e mais importante a vontade que o Baby F tinha em vir ao Mundo. 

E assim sem dar pelo tempo passar, ou não, estamos a chegar ao primeiro aniversário dele, parece que ainda foi ontem que chorei de alegria, quando o meu marido me disse que estava grávida, sim porque ele não se conteve quando fizemos o teste juntos e olhou antes do tempo para o resultado e acabou por ser ele a dar-me a maravilhosa notícia. 🙏

Nesse dia chorei de alegria, mas no dia em que ele nasceu não foi diferente, basta olharem para os nossos sorrisos, é indescritível pegar no nosso filho pela primeira vez. 💓












2 comentários:

  1. sorri, arrepiei e amei toda a descrição ! ansiosa para que seja a minha vez =)

    Mama proud !! <3

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quero acompanhar de perto essa tua fase! <3 Obrigada babe :)

      Eliminar

®M dos 0 aos 100. Com tecnologia do Blogger.